Variação internacional na duração das consultas de cuidados primários

Added June 4, 2020

Citation: Irving G, Neves AL, Dambha-Miller H, et al. International variations in primary care physician consultation time: a systematic review of 67 countries. BMJ Open 2017; 7(10): e017902

De que se trata? A pandemia da COVID-19 está a colocar os sistemas de saúde sob pressão. A investigação existente sobre a duração das consultas de cuidados primários entre médicos e doentes pode facultar informação aos decisores políticos.

Nesta revisão sistemática, os autores pesquisaram estudos observacionais que indicassem a duração das consultas com qualquer médico de cuidados primários. Restringiram a sua pesquisa a artigos publicados em chinês, inglês, japonês, português, russo e espanhol, e fizeram-na em 2016. Incluíram quase 180 estudos de 67 países, abrangendo mais de 28 milhões de consultas. 

Resultados: A duração média de uma consulta de cuidados primários variou significativamente entre os países, desde 48 segundos no Bangladeche a quase 23 minutos na Suécia.

Com base na média dos países que compõem cerca de 50% da população global, uma grande parte da população mundial passou menos de 5 minutos de média numa consulta de cuidados primários.

As consultas mais longas nos cuidados primários estavam associadas a maiores despesas de saúde per capita.

Os países com maior número de clínicos de medicina geral tiveram consultas mais longas, independentemente das despesas de saúde per capita.

As consultas mais longas nos cuidados primários estavam associadas a uma maior satisfação dos médicos e a taxas mais baixas de ‘burnout’ por diminuição da realização pessoal, mas não estavam associadas à satisfação do doente com a duração da consulta.

As consultas mais longas nos cuidados primários estavam associadas à diminuição de internamentos por diabetes; mas não foi observada qualquer diferença nas admissões de DPOC ou asma, ou no atendimento a acidentes e urgências.

As consultas mais longas não estavam associadas a um aumento ou diminuição do número de pacientes atendidos por ano, nem a uma mudança no volume de estudos imagiológicos

Se há fatores específicos a serem considerados para as comunidades rurais ‘versus’ as urbanas é incerto.

Os efeitos adicionais relativamente ao tipo de clínica (pública ou privada) são incertos.

 

Aviso Legal: Este resumo foi escrito por funcionários e voluntários da Evidence Aid. O objetivo é tornar o conteúdo do documento original acessível aos responsáveis pela tomada de decisões envolvidos na pesquisa de evidências disponíveis sobre o coronavírus (COVID-19) que, inicialmente, podem não ter tempo para ler o relatório original na íntegra. Este resumo não pretende substituir o aconselhamento médico e de outros profissionais de saúde, associações profissionais, desenvolvedores de diretrizes ou governos nacionais e agências internacionais. Se os leitores deste resumo acharem que as evidências apresentadas são relevantes para a tomada de decisões, devem consultar o conteúdo e os detalhes do artigo original, bem como os conselhos e diretrizes oferecidos por outras fontes de informação, antes de tomar decisões. A Evidence Aid não pode ser responsabilizada por quaisquer decisões relativas ao coronavírus (COVID-19) tomadas com base apenas neste resumo.

Share