Regras de previsão clínica nos cuidados primários

Added May 2, 2020

Citation: Wallace E, Uijen MJ, Clyne B, Zarabzadeh A, Keogh C, Galvin R, Smith SM, Fahey T. Impact analysis studies of clinical prediction rules relevant to primary care: a systematic review. BMJ Open 2016; 6(3): e009957

De que se trata? A pandemia do COVID-19 representa desafios adicionais para os médicos dos cuidados primários. As regras de previsão clínica (RPC) destinam-se a padronizar as abordagens dos médicos ao diagnóstico, tratamento e avaliação prognóstica, e as pesquisas existentes sobre estes aspetos podem fornecer informações para ajudar a enfrentar estes desafios.

Nesta revisão sistemática, os autores procuraram estudos comparativos sobre a eficácia da utilização das RPC nos cuidados primários. Restringiram a sua pesquisa a artigos publicados em 30 revistas pré-selecionadas entre 1980 e 2013, sem restrições quanto à língua da publicação. Incluíram quatro ensaios clínicos aleatorizados por grupo, oito ensaios clínicos aleatorizados individualmente, um ensaio controlado aleatorizado piloto, três estudos antes e depois controlados e dois estudos de séries temporais interrompidos; segundo uma variedade de condições.

Conclusão: Globalmente, 10 dos 18 estudos incluídos relataram uma melhoria do resultado primário com a implementação das RPC por comparação com os cuidados habituais.

Para pacientes com lesões músculo-esqueléticas no tornozelo, joelho e pescoço, 5 dos 6 estudos concluíram que o uso da RPC alterou o comportamento orientado do médico na indicação de imagiologia comparativamente aos cuidados habituais.

Entre os 4 estudos sobre classificações de risco cardiovascular, 3 não registaram qualquer impacto nos resultados do comportamento do médico (como prescrição e reencaminhamento) ou nos resultados dos pacientes (como redução dos níveis lipídicos séricos) por comparação com os cuidados habituais.

Dois estudos examinaram as RPC na tomada de decisão em pacientes que apresentavam dor torácica e ambos registaram uma redução nas admissões inadequadas face aos cuidados habituais.

Dois dos 5 estudos respiratórios concluíram que a RPC é eficaz na redução da prescrição de antibióticos para a dor de garganta comparativamente aos cuidados habituais.

O que não se sabe: Os efeitos da combinação da utilização da RPC com outros auxiliares de decisão ou em protocolos mais amplos são incertos.

 

Aviso Legal: Este resumo foi escrito por funcionários e voluntários da Evidence Aid. O objetivo é tornar o conteúdo do documento original acessível aos responsáveis pela tomada de decisões envolvidos na pesquisa de evidências disponíveis sobre o coronavírus (COVID-19) que, inicialmente, podem não ter tempo para ler o relatório original na íntegra. Este resumo não pretende substituir o aconselhamento médico e de outros profissionais de saúde, associações profissionais, desenvolvedores de diretrizes ou governos nacionais e agências internacionais. Se os leitores deste resumo acharem que as evidências apresentadas são relevantes para a tomada de decisões, devem consultar o conteúdo e os detalhes do artigo original, bem como os conselhos e diretrizes oferecidos por outras fontes de informação, antes de tomar decisões. A Evidence Aid não pode ser responsabilizada por quaisquer decisões relativas ao coronavírus (COVID-19) tomadas com base apenas neste resumo.

Share